terça-feira, 13 de setembro de 2011

P118: Comentário à fotografia de uma travessa com um coelho em cima!

.
.
.
.

Recebemos de um anónimo, (julga ele, porque os nossos serviços de informação já o identificaram), o seguinte mail:

Exmºs. Senhores,

Agradeço, ao abrigo do decreto-lei quatro mil trezentos e quarenta e nove da lei da imprensa, publicação deste texto anónimo como comentário à fotografia de uma travessa com um coelho em cima!
Envio para os dois senhores que "andam feitos" um com o outro, para grande desgosto da "maioria silenciosa" da Tabanca do Centro.


Segue o referido texto.

“CHEIRA-ME A DEDINHO DO EDITOR DA KARAS”

A marcação da data de 28 de Setembro para o encontro mensal da Tabanca do Centro, consta-se, terá sido soprada ao ouvido do sr. Joaquim pelo editor do pasquim que agora anda na moda “ Karas “ de seu nome que contém as costumeiras fofoquices próprias das revistecas que por aí abundam, com a agravante de o director da dita não dar a cara; sim ninguém sabe quem é o cavalheiro!
Aguardo informação de amigo chegado que tenho no S.N.E. ( serviço nacional de escutas) que já colocou vários telefones “ em análise “ para termos a certeza de quem será tão nefelibata (#) personagem, muito embora o rasto que temos vindo a seguir indique personagem sulista e elitista mas que come como nortista!
Questões como “ mais farinheira e linguiça “, ou a “retirada das couves do cozido” JÁ!, são exigências que muitos silenciosos comensais têm vindo a fazer há muito tempo, em surdina diga-se, sem que o auto-denominado chefe da Tabanca, o sr. Joaquim que também usa o nome de Morais ( só lhe falta o Gonçalves ) lhes dê o mínimo troco!
O tal Editor sabe da existência deste problema desde há muito tempo e “cala a desgraça” e da guerra do cozido nada nos diz!
Voltando ao tal dia 28 de Setembro quero avisar um e outro que não são as claques organizadas a que um e outro pertencem, os mitológicos dragões ou os pacientes leos, que me impedirão de estar em Monte Real, porventura acompanhado da minha bajuda!
Podem montar e até povoar a estrada de vigilantes barricadas que eu lá estarei no local próprio a dar ao dente, silenciosamente, pois enquanto se come não se fala, ou como se diz pelo meu burgo “enquanto se capa não se assobia”
Dizer ainda à laia de conclusão que julgava a Tabanca do Centro um local onde as convicções político –futebolísticas - religiosas ficassem à porta!
Santa ingenuidade!
Aproveitando o exemplo que vem do Coelho da Madeira que provoca sem interregno o sr. dr. Alberto João Jardim, servem-se do animal para provocar o nosso movimento, como se o coelho fizesse parte do Cozido à Portuguesa! A provocação sobe de tom com o coelho, com um sorriso cínico, a empunhar na pata uma cenoura, essa horrorosa raiz vegetal que o meu grupo abomina. Se não fôssemos de esmerada educação, diríamos ao senhor coelho onde lhe ficaria melhor a tal cenoura!
Não vou assinar este depoimento com medo de represálias costumeiras…
Aos meus silenciosos camaradas um abraço do meu Buarcos lindo,
Anónimo!

(#) pessoa que anda nas nuvens; escritor excêntrico.
.
.



11 comentários:

Torcat Mendonca disse...

Essa agora...???
qualquer dia ninguém comi o ditoe, pelo oposto o dito cujo vai-nos comendo e de que maneira....

Não li o texto...´s agora vou ler...
Ab T

Anónimo disse...

Eles falam falam, falam falam, mas não os vejo a fazer nada.
Agora até deixaram que o leitão não sei donde nos passasse à frente.
É o que eu digo, REVOLTEM-SE!!!!!

Anónimo disse...

"Cosido" à portuguesa (a ponto de cruz) a Património dos "esfomeados", JÁ!!!!!!!!!

Anónimo disse...

Li este texto de um escritor alucinado, que não o Pacheco, onde se nota grande admiração pelo Cozido e menos pelo Coelho, pelo menos por alguns.

Não estando identificado o escritor, colocá-lo-ia na Figueira da Foz, não para o irritar, para isso tornava-o adepto do Dragão, companheiro do Régulo da Tabanca, limito-me a considerá-lo lá para os lados de Buarcos, local onde o mar que os une também os separa.
BS

Sr. Joaquim disse...

Resposta ao anónimo, que não se identifica, mas que nós conhecemos muito bem, pois é sem dúvida “useiro e vezeiro” nestas andanças, ou seja, a coberto do anonimato, ataca os seus camarigos de quem se diz muito amigo, para depois, qual «Tu quoque, Brutus», lhes desferir as punhaladas traiçoeiras nas suas, (deles/nossas), costas indefesas.

Ah, mas não perde pela demora, pois a vingança é servida em prato frio, ou a frio, ou lá como é que é!

Pobre Buarcos, que deste à luz um tal filho, que anonimamente vai denegrindo o teu puro e belo nome, atacando os seus próprios amigos, (que sempre lhe reservam os melhores pedaços do cozido), pela calada da noite disfarçado e encapuzado, pelas esquinas sombrias da traição da camarigagem.

Pois fica tu sabendo, oh disfarçada figura, que o editor da nobre revista Karas sempre deu a conhecer o seu nome, que de tão alto voar, até um dia de tão alto caiu, para depois se levantar, e proclamar bem alto as noticias mais importantes e interessantes desta Tabanca do Centro.

E o Sr. Joaquim, que tu, oh encapotada personagem, pretendes atacar com o vil fel da traição, não é pessoa que se deixe amedontrar por quem nem o seu próprio nome é capaz de assinar, num texto tão desprezível, como longe da verdade!

Não, não passará a ignominiosa escrita que anonimamente pretende lançar a cizânia entre os camarigos atabancados ao centro!

Porque a verdade é só uma, e a rádio vermelha não fala verdade!
(Onde é que eu já ouvi isto?)

Para ti, oh encapuzado traidor, a nossa gargalhada de desprezo: ah, ah, ah!!!

Treme vil anónimo, porque a vingança, será servida numa cenoura disfarçada que só depois de a comeres te darás conta do doce veneno que a impregnará!!!

Já se deleitam os meus olhos com a visão do anónimo, que agarrado às suas calças, correrá que nem um doido em busca de sanita próxima, sob pena de passar a vergonha de não se conter entre os atabancados ao centro, que alegremente se reunirão nesse 28 de Setembro, para mais uma vez levarem de vencida o mais delicioso e abastado Cozido à Portuguesa.

E já agora sempre te digo, oh anónimo disfarçado, que o artigo quatro mil trezentos e quarenta e nove da lei da imprensa, nada diz acerca do assunto a que fazes referência, mas sim obriga a que as notícias do país, sejam escritas a Bic laranja, para não gastar tinta permanente, no fundo uma imposição da odiada troika, que obviamente não será convidada para o cozido.

Assinado
Sr. Joaquim

Anónimo disse...

Não é para lançar qualquer confusão, mas o Tabanqueiro Mor, terá que equacionar uma próxima excepção ao Cozido, não a 28/9, mas numa próxima, com um combate a uma das 7 Maravilhas da Culinária, aí da região, a Praia da Vieira, ao seu grande Arroz de Marisco. Uma mudança de tércio, de vez em quando não fará mal a ninguém, nem mesmo ao Cozido. O que acham companheiros de luta? E fica tudo nessa região que nos acolhe sempre bem.

Carlos Pinheiro
13.09.11

António Martins Matos disse...

Inscreve-me lá sff.
E deixa-me dizer-te que esta sugestão do CP é deveras convidativa.
Abraço
AMM

Anónimo disse...

Ater de reescrever várias vezes o meu texto, por causa da internet sempre a cair, acabei eu por cair na esparrela e esquecer-me de marcar dois lugares na mesa do cozido.
Um abraço
BS

Joaquim Mexia Alves disse...

Caros camarigos

a ideia do Carlos Pinheiro é muito interessante.

Vamos falar disso no próximo Encontro.

Contudo, aviso desde já, que os valores em causa são bastante mais avultados, e o Encontro terá de se deslocar para a Praia da Vieira, o que, julgo eu, não constitui grande problema.

Grande abraço

Anónimo disse...

Camarigo Mexia Alves
De facto constou-me muito recentemente que os Restaurantes da Praia da Vieira parece que estão a abusar dos preços. Por isso muito cuidado. De qualquer forma, porque parece haver alguma receptividade, não há nada melhor do que fazer-se uma sondagem ao mercado, até porque os nossos orçamentos também estão cada vez mais limitados e ninguém nos dá nada em "troika" das nossas presenças.
Um abraço
Carlos Pinheiro

Joaquim Mexia Alves disse...

Caro Carlos Pinheiro

Claro, com a publicidade que lhes fizeram!!!

Mas é na Praia da Vieira que o arroz de marisco se recomenda.

Vou fazer um "inquérito"!

Um abraço