sexta-feira, 6 de fevereiro de 2015

P606: CRÓNICAS DO JOSÉ BELO

Desafiámos o nosso camarigo José Belo, a viver há quarenta anos no extremo norte da Suécia, a descrever-nos o tipo de vida e as adaptações a que um lusitano se teve que sujeitar para viver num ambiente que para nós é difícil de imaginar... e de suportar...
A resposta está aqui, explicada pormenorizadamente por este nosso camarada. Apreciem...

VIVER NA LAPÓNIA

Perguntam-me como se consegue (sobre)viver na Lapónia. Em primeiro lugar há que ter em conta que  esta vastíssima área do Círculo Polar está enquadrada pelas fronteiras da Noruega, Suécia e Finlândia.

Não sendo propriamente países com dificuldades económicas, as realidades locais estão muito distanciadas das realidades árticas russas, para citar o exemplo mas próximo.

As auto-estradas e estradas que ligam os centros populacionais estão bem mantidas e a funcionar 365 dias por ano, independentemente das temperaturas, com um  sistema de limpeza de neve e gelo, assim como os aeroportos locais, com carreiras regulares a funcionar também 365 dias por ano, independentemente das temperaturas extremas.

Muito importantes para a economia local (exportação que sai da maior mina Europeia de ferro situada em Kiruna, para o porto atlântico norueguês de Narvik) as vias férreas estão sempre abertas.

Um serviço de urgências, com helicópteros-ambulância estrategicamente distribuídos, garante um máximo de 30 minutos de voo até aos locais mais isolados.

Os custos destes serviços, somados ao facto de todas as auto-estradas, pontes (com excepção da que liga a sul a Suécia à Dinamarca), barcos transportadores de viaturas (serviço muito importante num país com inúmeros lagos) são obviamente muito elevados. Não será por acaso que os países Escandinavos, com a Suécia à frente, são mundialmente conhecidos pelos seus altos impostos.

Quanto ao "porquê" de eu viver largos períodos do ano em tal exílio, e procurando tornar uma longa história curta... A minha mulher é filha única de um conhecido industrial sueco com negócios na Escandinávia e nos  Estados Unidos.

Este senhor mandou construir uma casa para convidar os amigos e outros industriais para umas férias exóticas, com passeios de trenó, pescarias várias, e nas horas vagas dar uns tirinhos nos animais selvagens circundantes.

Como não seria propriamente parvo, fez construir a casa junto do maior parque natural europeu (e dos mais espectaculares da Suécia), que é o de Abisko.

A casa está situada na margem norte do lago Torneträsk, precisamente a meio caminho da cidade fronteiriça sueca de Karesuando a nordeste, e o porto atlântico norueguês de Narvik a oeste. 

A pequena localidade de Karesuando é a situada mais ao norte da Suécia, onde termina a estrada Europa-45 e a estrada do Reino-49.

Será talvez interessante para alguns uma vista de olhos às fotos aéreas do Google-Earth, tendo como referência a estrada que liga Kíruna a Narvik na costa atlântica. Aí poderão observar montanhas e lagos mais espaços infindáveis... mas casas?!

Cerca de 2/3 da população sueca vive a sul de Estocolmo e Estocolmo está a 1.700 quilómetros lá para o sul daqui.

A Suécia tem uma área 14 vezes maior que Portugal com uma população menor (Para nos "situarmos", a distância da fronteira norte sueca à fronteira sul é a mesma que a da fronteira sul sueca à cidade italiana de Milão). Dentro deste contexto não se torna tão estranho o facto de o meu vizinho mais próximo viver a 200 quilómetros da minha casa… ou mais.

Como é que aqui se vive tendo em conta os Invernos de 9 meses e os 4 meses de escuridão total nas 24 horas do "dia", a somarem-se ao curto Verão de semanas em que o Sol nunca se põe?

Uma casa de madeira nórdica (e é importante ser de madeira!), com paredes duplas e largo material de isolamento intermediário.
Isolamentos extremos tanto em alicerces como no tecto.
Janelas de vidros duplos que criam uma almofada de ar quente entre eles.
Porta exterior dupla seguida de uma entrada que permita encerrar a porta da rua antes de entrar propriamente na parte residencial.
Uma boa caldeira dupla (!) de aquecimento a óleo, construída na cave da casa.
Um muito razoável depósito exterior (subterrâneo) para o óleo.
Óleo fornecido periodicamente por camiões cisternas.

A temperatura em toda a casa mantém-se entre os 22 e os 24 graus, sendo esta a recomendada como saudável. Nesta zona ártica tanto o óleo como a electricidade são subsidiados em percentagens muito elevadas pelo Estado, numa política inteligente de procurar manter alguma ocupação populacional da área.

Aquecimento eléctrico em forma de serpentina envolvendo os canos que ligam o furo de água sob a casa (Esta água obtida de furos profundos mantém uma temperatura de 8 graus positivos ao longo do ano).

Um "pequeno detalhe" a não esquecer... os esgotos. Os canos são também electricamente aquecidos até atingirem o depósito exterior, também subterrâneo, sendo este esvaziado periodicamente pela mesma firma que fornece o óleo para aquecimento.

Quanto a alimentos, e tendo em conta as quantidades necessárias para garantir aprovisionamentos confortáveis,  o problema é inverso.

A serem guardados em arrecadação exterior esta tem que estar aquecida (!!!) às temperaturas normais de um frigorífico, que estão à volta dos 8 graus positivos.

Arcas congeladoras também são importantes para guardar durante todo o ano as grandes quantidades de carne selvagem aqui abatida e consumida, para além dos diversos peixes locais como a truta e o salmão.

Entrando em detalhe, um alce fornece muitos mais quilos de carne consumível que um cavalo. As renas funcionam um bocado como os porcos na Lusitânia... tudo se consome, desde o lombo, filé, febras, perna fumada, sangue para enchidos etc.

A isto somam-se as lebres e perdizes (ambas brancas!), alguns tipos de gazelas e... por muito que aí me não acreditem... enchidos de carne de urso (Um pouco como o nosso paio)!

E, um detalhe importante: Toda esta lista, tanto de carnes como de peixes, é obtida a umas centenas de metros da casa sem ser necessário o uso de dinheiro.


Quanto a bebidas para fins "medicinais... não há casa sem um alambique (dos antigos em cobre) que não produza vodka com percentagens de álcool que aí seria vendido nas farmácias…

Para frutas, vegetais, vinhos, drogarias e tudo o resto, tanto a cidade sueca de Kíruna como a norueguesa de Narvik estão a cerca de 200 quilómetros.

Tenho que concordar que talvez seja "um pouco" para se comprar tabaco ou o jornal da tarde, mas por outro lado o bacalhau norueguês que para aí vai é em grande parte da região de Narvik, só que... aqui se compra a menos de 80% do preço que custa na Lusitânia. Deste modo, bacalhau e "coubinhas quentes" por aqui não faltam.

Quanto ao isolamento, ou dificuldades de transporte, é claro que quando os temporais de neve, gelo e nevoeiro apertam não se pode esquecer que estamos muitas centenas de quilómetros dentro do Círculo Polar.

Dá por vezes trabalho extremo mas é um preço que vale a pena pagar tanto pelo sossego, silêncio quase místico, e a grandiosidade desta natureza envolvente, nas suas montanhas, bosques, rios e lagos que se veem de todas (!) as janelas da casa.

Detalhes práticos... Um bom Jeep com tração às quatro rodas, de modelo de fábrica aconselhado para estas condições extremas.

Pelo menos duas "scooters" para a neve. Uma para transporte pessoal e outra para rebocar trenós de cargas várias.

Existe um aparelho muito prático que consiste essencialmente numa larga pá facilmente adaptada à frente do Jeep, que permite remover a neve e gelo nas estradas secundárias que ligam as casas às estradas principais (as tais que têm a neve continuamente removida por empresas do Estado).

No que me diz respeito, a casa fica situada a 10 quilómetros da estrada principal.
A ter que deslocar-me coloco o aparelho á frente do jeep, e ao atingir a estrada principal o mesmo é facilmente colocado sobre o tecto da viatura. É aconselhável repetir esta operação nas estradas secundárias (mesmo que não se tenha que viajar) para evitar um acumular demasiado de neve e gelo.

Mas, e como tudo na vida, com um pequeno pagamento "amigo" aos condutores que limpam dia e noite as estradas principais, estes por vezes "enganam-se" e fazem também uns percursos pelas estradas secundárias. Tendo em conta as centenas e centenas de quilómetros que limpam dia e noite… não se notam estes "enganos" a nível central.

Quanto a renas à frente dos trenós, ou os cães, claro que aqui os usamos. Mas definitivamente não nos trabalhos ou actividades do dia a dia.

As renas... são mais para passear os netos ou outros visitantes.

Os cães de trenó... servem para algumas passeatas em busca de bons locais para abrir um buraco no gelo para a pesca, ou, mais uma vez, para aquando da vinda de alguns visitantes "turísticos", tanto suecos como dos Estados Unidos.

Em verdade, os cães servem hoje mais para companhia do que para transporte útil.

Mas se julgam que os cães comem pouco (8 de trenó e 4 de reserva)... posso garantir que é um alto consumo "por quilómetro"... mesmo quando estão parados! E não é propriamente ossos o que comem!

Nestes bilhetes-postais românticos não se pode esquecer que, hoje em dia, as manadas de renas em deslocamentos são seguidas durante o Inverno por modernas e potentes scooters para a neve, e nos reagrupamentos de Primavera e Verão são utilizados helicópteros. Desde o ano passado começaram a ser aqui também utilizadas os modernos "drones" aéreos para esse fim.

Para a minha família, esta casa mais não é que um refúgio de paz.
Para a manter com os níveis de conforto, modernidade e funcionalidade neste isolamento extremo, é claro que se torna necessário um custo económico considerável e, não menos, um planeamento contínuo e sempre bem antecipado.

As profissões, tanto da minha mulher como a minha, permitiram, felizmente, os largos períodos em que aqui nos refugiámos.

Já aqui me visitaram alguns Lusitanos amigos, e por esta zona passeou um simpático casal frequentador dos almoços da Tabanca do Centro.

Aos restantes… Sejam bem-vindos!

 José Belo

Nota: Boa parte das fotos apresentadas neste texto foi retirada do blogue da Lapónia, http://laplandnearkeywest.blogspot.pt/ , com a natural autorização do nosso camarada José Belo. Os nossos agradecimentos.

6 comentários:

Joaquim Mexia Alves disse...

Obrigado José Belo.

Melhor descrição é impossível!

Apesar do frio e de todas as vicissitudes que no texto descreves, deu-me uma vontade imensa de te visitar nesse sítio fantástico.

Muitas vezes anseio por um sítio onde possa estar longe da "civilização" por uns dias, então sem notícias melhor ainda.

Um grande e amigo abraço do
Joaquim

Joseph disse...

Meus Caros Amigos e Velhinhos (salvo seja!) Camaradas da Guiné.

Aproveito ainda ser quase madrugada para tentar (discretamente) emendar erro indisculpável por mim cometido aquando da procura exaustiva de encontrar respostas ás perguntas que me foram feitas quanto a auxiliares de sobrevivência durante os infindáveis invernos de nove mêses.

As nossas iidades,por vezes,pregam-nos destas partidas.

Referi:-gelo,escuridäo,nevoeiro,nevöes,ursos renas,casas de parêdes duplas,janelas também duplas,enormes caldeiras a oleo para aquecimento,os indispensáveis alambiques "medicinais" para os vodkas caseiros a 96%...e até mesmo acabei por lembrar a necessidade de se terem os canos das sanitas aquecidos!

MAS, ainda näo consegui compreender como me foi possível esquecer a "lapónica" Lena Philipsson no vídeo que tenho publicado na laplandnearkeywest.blogspot.se

(obs/ o video näo está colocado no início do blogue como justo seria,mas lá mais para o meio do mesmo...por procurar fingir que anda tenho alguma vergonha na cara.)

Mais uma vez,as minhas profundas e sinceras desculpas pelo lapso cometido.

Um grande abraco do José Belo.

JD disse...

Caro José Belo,
Os meus parabéns por te tornares um embaixador lusitano em terras tão inóspitas em latitudes desaconsalhadas.
Imagino que a despesa pública que referes para manutenção da soberania em tais extremos, não provoca deficites na execução orçamental sueca, ao contrário de umas centenas anárquicas de funcionários públicos lusitanos, incapazes de garantir boa qualidade nas funções do Estado e no bem comum português.
No entanto, se alguma vez a situação vier a apresentar-se cinzenta para os suecos, conta com a nossa experiência e sabedoria sobre empréstimos, PPP's, e outras "engenharias", para concretizarmos uns biscates "salvadores", antes que se torne escura (a situação). Se forem necessários predicados e outros abonos contratuais nos conformes, estás à vontade.
Com um abraço
JD

Anónimo disse...

Que extraordinário testemunho, caro amigo José Belo. Confesso que senti por vezes algum arrepio e não foi de frio...Mas depois lembrei-me que cada caso é um caso. Tenho 74 anos e vivo numa pequena localidade em que não ando 100 metros sem parar para falar com amigos e conhecidos. Mas o testemunho que o José Belo nos dá diz respeito a 40 anos da sua vida.E percebe-se que vive e faz parte uma família feliz,amiga e próxima.A escuridão de 4 meses? Não consigo imaginar mas...mais uma vez o hábito fará o monge !Muito obrigado José Belo. Fico à sua espero em Alcobaça.Até sempre.JERO

Hélder Valério disse...

Acabei de ler.
De um fôlego!
E fiquei a tentar imaginar-me nessas situações.
E não consigo verbalizar.
Meu caro José Belo, obrigado por esta partilha. Por ela sinto que fiquei mais enriquecido de conhecimentos e não posso deixar de dizer que fiquei muito impressionado com a organização que referiste e também com a coragem que é necessário ter para passar mais que 15 dias nessa paz, nessa calma, mas também nesse isolamento.
Abraço
Hélder Sousa

Anónimo disse...

Acabei de ler toda a descrição da vida do amigo José Belo, na sua Lapónia, pois que vivendo há tantos anos nessa terra, bem a pode considerar como tal. Devem ser lindas as paisagens, mas confesso que alguma escuridão não me agradaria. Contudo percebe-se as grandes diferenças de vida, entre lá e cá, tomando como exemplo a construção das habitações e o conforto que as mesmas proporcionam além de tudo o resto que nos descreve. Gostei de ler o texto e pela minha parte agradeço, pois fiquei a saber muito mais sobre essa linda região. Desejo-lhe boa saúde e continuação de bem estar. Um abraço. Mª Arminda