quinta-feira, 26 de setembro de 2013

P374: EM CIMA DO ACONTECIMENTO...

ODE AO COZIDO

Triste por não poder estar presente neste nosso convívio de 25 de Setembro, o nosso camarigo Manuel Maia não quis deixar passar o momento e, em cima do acontecimento, dedicou-lhe estes versos que vos deixamos.
                                                        Os editores



               DO  COZIDO  SINTO  AROMA,

               CHEIRINHO  DELICIOSO...

               P`LAS  NARINAS  SOBE À  "MONA",

               DESSA TABANCA , FAMOSO...





               MÁ  SINA  P`RA  MIM,  AZAR,

               É  NÃO  PODER  "DAR AO DENTE",

               SEQUER  CONFRATERNIZAR

               ENTRE TANTA  E  BOA  GENTE...






                VISLUMBRO,  CERRANDO  OS  OLHOS,

               TRAVESSAS  A  FUMEGAR,

               HORTALIÇA  EM  GRANDES  MOLHOS,

               CARNE  TENRA  DE ESPANTAR...





               OLFATO  E  TODOS  SENTIDOS,

               AÍ  SÃO  ESTIMULADOS,

               P`LA  EXCELÊNCIA   DOS  ENCHIDOS,

               QUE  NÃO  SÃO  DOS  "ENLATADOS"...






          E  A  PINGA  QUE  BEM  ESCORRE

          NAS  GARGANTAS  RESSEQUIDAS,

          NA  CONVERSA  QUE  DECORRE

          GARFADAS   INTERROMPIDAS...





          UM  DIA  HEI-DE  VOLTAR

          AO  "TERREAL  PARAÍSO",

          APRECIAR  O  MANJAR

          DOS  DEUSES,  P`RA  SER  PRECISO...







          COMO  RAZÃO   DA  AMIZADE

          QUE  O  COZIDO  FOMENTA,

          HÁ  UM PASSADO/ SAUDADE,

          QUE A IDADE ENTRE NÓS  CIMENTA.






Um bom almoço para todos, bebam moderadamente e conduzam com prudência no regresso.



                                                                                                                mm

6 comentários:

Joseph Belo disse...

Dizes tudo (e bem!)que o Lapäo gostaria de ter dito.
Um grande abraco do José Belo à "tanta e boa gente" do Centro.

Anónimo disse...

Um grande abraço para o nosso Vate.

Outro, bem apertado, para o nosso Lapão Zé Belo e pedir-lhe para que venha, mais uma vez, até ao nosso convívio que cada vez é melhor!

joaquim disse...

Oh Manel, deixa-te de poesias e vem mas é almoçar cá "ca gente".

Grande abraço

Anónimo disse...

Gostei de ver e ler a reportagem da "R. Karas". Todos bem dispostos como de costume. Estás cá com uma sorte, Giselda. Podes socorrer-nos com essa bolsinha bem apetrechada, de rebuçados e coisinhas boas. Amanhã dou o "salto", mas ainda tive curiosidade em ver as vossas notícias. Um abraço. Mª Arminda

Anónimo disse...

Como sempre o Manuel Maia, escreve muito bem e em verso, o que alguns pensam em prosa!.. Os meus parabéns amigo, por mais este mimo aos camarigos. Um abraço. Mª Arminda

Anónimo disse...

Com a classe a que nos habituou, o "Manel" descreve a sua frustração em não poder dar ao dente e saborear o cozido, mas vá lá, chega-lhe o cheiro, segundo ele, o que eu não acreditava que chegasse tão longe.
Uma nota para a qualidade da ilustração a cargo, certamente, do nosso director da Karas.
BS