quinta-feira, 6 de junho de 2013

P342: A CAMINHO DO MATO CÃO


5 comentários:

manuelmaia disse...

Olá Joaquim,

Lá vai a Nau Catrineta que tem muito que contar... mas que raio de nome haveria de ter o teu resort... MATO CÃO...

Gostei do que escreveste.
Um grande abraço
mm

manuelmaia disse...

VIVA Joaquim,

PARECIA MAIS UMA BANHEIRA.
ONDE ESTAVA ( CANTANHEZ) TÍNHAMOS DOIS SINTEX QUE TINHAM FORMA DE BARCO...
ISSO,ESSA COISA, ERA O QUE PODERIA APELIDAR DE OVNI UMA ESPÉCIE DE BANHEIRA GRANDE

Joseph Belo disse...

É óbvio que a NAU a que Manuel Maia chama de banheira,mais näo é que a panela do rancho onde os turistas de Mato Cäo coziam a täo célebre Dobrada- Manutencäo Militar-com as minhocas brancas à mistura,que sempre apareciam a boiar no caldo. Em noites mais "luarengas" o *Al-fero*(!) lá confundia Mato Cäo com....Diogo Cäo. E,aquele abraco.

Juvenal Amado disse...

No caso das minhocas,e gorgulhos vários vulgarmente chamados de carneiros,provam que já nesse tempo estavamos muito há frente.
Só agora é que os responsaveis mundiais pela alimentação descobriram os valores nutritivos dos insectos facto com que nós convivemos há muito tempo.

Um abraço

Anónimo disse...

Esta Tabanca está bem servida de poetas. Gostei de ler amigo Joaquim. Felizmente que nenhum jacaré estava à espreita ao chegarem a terra firme. Um abraço. Mª. Arminda