sábado, 15 de agosto de 2015

P686 : RECORDAÇÕES...

Da bolanha levanta-se um vento quente
que toma conta de tudo.
Os homens em fila indiana cruzam o capim envoltos num cheiro
misto de suor e medo.

De repente um "estrondear" enorme cala a natureza,
como um grito mudo.
Os homens olham-se e avançam com uma coragem
que vivem em segredo.

Cala-se o tiroteio e apenas se ouvem passos apressados
fugindo no meio da mata.
Na face dos homens na bolanha nota-se um alívio
recheado de ansiedade.
Continuam a avançar determinados
numa coragem que não desata.
Desaperta-se o peito, chega a paz,
aumenta a saudade.

Lá longe em casa, uma vela acesa,
pelo filho que está na Guiné.
Sentados à volta da mesa é servida a saudade
numa refeição frugal.
Batem à porta. Abre-se, e ali está o filho regressado,
orgulhosamente de pé.

Ah, que saudades imensas eu tenho do orgulho
de ser Portugal!


Nota: Numa noite mal dormida, povoada de guerras antigas!
  
Marinha Grande, 15 de Agosto de 2015
Joaquim Mexia Alves 

4 comentários:

Joseph disse...

Mui Caro Amigo Joaquim.

"Orgulho de ser Portugal"

Näo será fácil o ser-se confrontado no dia a dia pelos ventos de "conveniëncias" que hoje sopram sobre o nosso querido Portugal.

Os senhoritos das políticas partidárias salvadoras;as corrupcöes que atravessam em diagonal a sociedade,as suas instituicöes,(e näo menos a jurídica),acabam por criar nos cidadäos um misto de revolta e pessimismo.

Nas existentes sombras os tais senhoritos crescem como cogumelos,e lá se väo pondo em bicos de pés,enfatuados de pseudo importäncias. Mas,fora de muros,quem säo?
Quem os ouve? Quem sabe da sua existencia?Quem se preocupa com täo profundos "provincialismos-iluminados"?

Meu mui caro Joaquim,nem Tu nem eu serëmos exemplos únicos-originais,mas,em período conturbado da nossa História recente atrevëmo-nos a tomar posicöes,bem distintas por certo,mas de cara levantada.

O patriotismo sincero;a frontalidade e coragem na defesa de ideais sentidos ,foram-nos ensinados no Colégio que a ambos educou,e näo menos,em Família.

Ideais muito para além das respectivas contas bancárias e outros "pessoalismos" täo prioritários na sociedade actual.

Näo posso falar em nome dos portugueses que,como eu,procuraram outras paragens,outra vida.
Mas sei que compartilho com muitos deles o... orgulho sincero de ser Portugal.

Confrontado, através do meu trabalho, com outras sociedades mais modernas e ricas como as Escandinavas,ou mais poderosas e influentes como os Estados Unidos,tenho sempre sentido que as nossas "pequenas-grandes" limitacöes acabam por näo envergonhar.
E já lá väo quarenta anos!

A täo nossa maneira de "olhar as gentes",a nossa solidariedade de simplicidades feita,observada sob outras bandeiras,acaba por nos criar o tal ...Orgulho sincero de ser Portugal.

Julgo ter compreendido o estado de alma do Joaquim ao escrever o seu bonito poema.

Um grande abraco do José Belo





joaquim disse...

Meu caro amigo José

Compreendeste muito bem!

Muito obrigado!

Um grande e amigo abraço

Hélder Valério disse...

Não é por preguiça ou oportunismo, mas se me for permitido gostava de subscrever o que o José Belo escreveu!

Abraços
Hélder Sousa

Anónimo disse...

Um obrigado ao amigo Joaquim, pelo seu belo poema.
Também sinto e tenho orgulho, de ser portuguesa.
O que o José Belo afirma, faz todo o sentido!..
Um abraço.
Mª Armida